Resenha: Garota, Interrompida - Susanna Kaysen

Editora: Única
Páginas: 190
Nota: 


Quando a realidade torna-se brutal demais para uma garota de 18 anos, ela é hospitalizada. O ano é 1967 e a realidade é brutal para muitas pessoas. Mesmo assim poucas são consideradas loucas e trancadas por se recusarem a seguir padrões e encarar a realidade. Susanna Keysen era uma delas. Sua lucidez e percepção do mundo à sua volta era logo que seus pais, amigos e professores não entendiam. E sua vida transformou-se ao colocar os pés pela primeira vez no hospital psiquiátrico McLean, onde, nos dois anos seguintes, Susanna precisou encontrar um novo foco, uma nova interpretação de mundo, um contato com ela mesma. Corpo e mente, em processo de busca, trancada com outras garotas de sua idade. Garotas marcadas pela sociedade, excluídas, consideradas insanas, doentes e descartadas logo no início da vida adulta. Polly, Georgina, Daisy e Lisa. Estão todas ali. O que é sanidade? Garotas interrompidas.

Você se considera louco? O que é ser louco pra você. Em meados de 1967 ser louco era fazer qualquer coisa que fosse contra os parâmetros que a sociedade impunha, depressão era loucura, se apaixonar por um professor ela loucura. Portanto Sussana Kaysen era considerada duplamente louca, além de ser depressiva acabou tendo um relacionamento com seu professor durante sua adolescência. E sabem o mais revoltante? Foi mandada para um hospício.

Garota Interrompida é um livro baseado em fatos reais, composto por acontecimentos fortes e que nos fazem pensar aonde a mente fechada e decrépita do ser humano pode chegar. Após algum tempo no hospício, Sussana começou a se questionar se realmente era louca. A depressão que ela tinha a levou a uma tentativa de suicídio, certamente. Sim, Sussana tentou tirar a própria vida. Um fato interessantíssimo é que o livro nada mais é do que uma autobiografia, aonde a autora e protagonista vai nos contar em detalhes os trágicos momentos que viveu dentro de um hospício.

Sussana não estava só, Lisa, Polly, Georgina e Daysi são as garotas com que ele teve que conviver durante o tempo que ficou lá. Todas dadas por loucas. A narrativa é muito forte, são relatos que até chocam, nos mostrando o quão o mundo pode ser injusto e impetuoso e o quão a sociedade pode ser preconceituosa.

A autora narra diversos personagens que vão adentrando ao hospício, cada um com suas peculiaridades, entre eles anoréxicos, drogados e depressivos, todos com um único intuito, tentar encontrar a sanidade que lhes foi imposta como perdida, alguns com loucuras avançadas, outros apenas passando por momentos difíceis, e é essa parte que mais choca, pois pensamos: Por que essa pessoa está ai?

O nome do livro faz todo sentido, Susanna deixa bem claro que enquanto o seu mundo parou no momento que ela entrou pelas portas do hospício, lá fora tudo continuo girando e tomando seu rumo naturalmente.

A diagramação está perfeita, contamos com cartas, diagnósticos clínicos, notas de progressos e notas sobre o seu estado feitas por enfermeiras. A narrativa não tem uma ordem sucessiva, intercalando entre passado e presente, o que pode comprometer a sua leitura se você não estiver atendo aos ganchos. Fora isso a narrativa é bem fluida.

É um livro que mexe com você, com seus sentimentos, com seus pensamentos, faz você pensar e repensar na vida, nas pessoas, nas coisas. A autora nos passa muito sentimento, apesar de todo o enredo ser carregado de vibrações negativas – veja bem, estou falando isso levando em consideração aos acontecimentos.

Em outras palavras, um ótimo livro, fabuloso, porém diferente.

  

6 comentários:

  1. Keziah, lendo o título eu imaginava outra história para o livro. Enquanto lia sua resenha, deparei-me com uma lembrança do livro "Verônica Decide Morrer" do Paulo Coelho.
    Beijinhos princesa.
    http://marlicarmenescritora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Keh!
    Eu recebi esse livro há alguns dias e estava me preparando para lê-lo.
    Já assisti ao filme, e é um dos meus favoritos, mas não sabia que era real, achei que era apenas baseado. Estou louca para ler, amiga, e será uma das próximas leituras, com certeza!

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia o livro e a capa não me agradou muito, mas a história parece ser legal. Vou ver se consigo ler. - Felipe (A Hora do Livro).

    ResponderExcluir
  4. Oi Keziah, nunca tinha lido nenhuma resenha sobre o livro. A premissa da história é interessante, mas pelo jeito se trata de uma história forte, e para falar a verdade não gosto muito de livros desse estilo, mas sua resenha me deixou curiosa.
    Beijos
    http://allmylifeinbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Kéziah!! Eu tenho muita vontade de ler esse livro... o nome é bem intimidador e chamativo... gosto de dramas... e da forma como você resenhou e algumas coisas que você disse me interessou muito mais na leitura... e como eu te disse adoro a forma de suas resenhas... Xero!!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Faz um bom tempo que tenho interesse em ler esse livro. Gosto de saber que ele realmente meche com o leitor e faz refletir.
    Só vejo resenhas positivas sobre ele, o que me faz me interessar mais e mais!

    Beijo
    Mariana | Sem querer me intrometer

    ResponderExcluir

Sua opinião é de extrema importância.
Sinta-se a vontade para deixar sua sugestão, crítica, dúvida, opinião, etc.
Mas lembre-se, seja educado com seus comentários e dispense palavras de baixo calão, pornografias e qualquer outro tipo de preconceito.
Deixe o link do seu blog ou qualquer outro tipo de contato para que eu possa retribuir sua visita.

Obrigada pela visita, volte sempre que puder.
Beijos!

Fonte: http://princesa-descolada-myla.blogspot.com/2013/03/paginacao-numerada.html#ixzz2j39CpByO